Eu vivo do contato, do tato, do calor.

Eu vivo do suspiro, da lágrima, do riso, desde que seja em conjunto.

Vivo da alegria, da doçura, da preocupação em fazer com que as pessoas se sintam bem.

Eu vivo do beijo, do abraço, do aperto de mão, do cafuné, da conversa, da paciência, da compreensão.

Eu vivo do Olá e do Até logo. Vivo muito mais de renúncia do que de orgulho. Vivo muito mais do amor do que de hostilidade.

Eu vivo do barulho de várias pessoas falando ao mesmo tempo. Vivo da poluição visual de sorrisos. Vivo da alegria coletiva.

Eu vivo de tudo que é ALÉM do individual. Vivo da bagunça, da gritaria, da confusão.

Eu vivo de PESSOAS, de CORAÇÕES, de SENTIMENTOS.

E se eu parar de ser assim um dia… é porque eu morri, mas se eu tava com a galera, eu morri foi de alegria!

Carolina Ruedas