heterocromia

A verdade é que nada mudou desde aqueles dias. Você continua o mesmo idiota com os mesmos cabelos escuros que quando grandes, caem no começo da sua nuca em caracóis. Continua o mesmo imbecil com dentes milimetricamente separados que te conferem um ar imaturo e você odeia. E de fato, acredito que odeie porque você continua o mesmo imaturo de sempre, que prefere assistir um jogo de futebol a  ter uma boa conversa e assim perde cada dia um pedaço importante das pessoas.

Aposto que você ainda tem aquela quase heterocromia, uma alteração genética que faz com que as pessoas tenham um olho de cada cor, e é por isso que eu nunca consegui concluir se seu olho era verde ou castanho. Mas além da heterocromia eu tenho certeza que você ainda evita olhar nos olhos quando precisa dizer algo importante.

A sua rotina mudou e talvez você não tenha mais o mesmo carro ou a mesma namorada ou a mesma gata de estimação. Talvez você não goste da sua antiga banda preferida e ache que seus livros de antes não fazem sentido nenhum agora. Considerando sua extrema indecisão eu penso inclusive que você muito provavelmente, ainda não comprou sua casa dos sonhos simplesmente porque não conseguiu escolher entre a praia e a montanha. E minha dica é que você vá para a montanha e se isole do mundo, porque se eu te conheço bem, você ainda é o mesmo antissocial.

Você ainda deve se contradizer dizendo que odeia cantar, mas cantando todo dia no chuveiro. Ainda deve se enganar repetindo para si mesmo o quanto gosta daquela mulher, para ver se isso começa realmente a fazer sentido no seu coração, mas não faz. E então você ainda deve enganar os outros, mesmo sem querer. E machucar os outros sem perceber. E pedir desculpas, mas no fundo mesmo, nem você aceita suas próprias desculpas.

Então prefere fumar uns dois ou três cigarros antes de decidir quanto tempo seu coração vai ficar fechado dessa vez. O que você não sabia e com certeza ainda não sabe, é que ele nunca esteve aberto.

E você ainda deve se arrepender de ter deixado aquela moça ir embora. Aquela dos cabelos hora louros, hora castanhos e de  tristes olhos enormes e azuis. Aquela com o pulso tão fino quanto o de uma criança, a voz mais irritante que de uma gralha, torneiras quebradas dentro das pálpebras e um bocado de dor dentro do coração. Aquela que pediu para você ficar e que tentou, a maneira dela, cuidar de você. Aquela que não conseguiu e implorou por uma chance. Aquela que te perdoou embora nem você tenha se perdoado. Aquela que por fim casou-se e agora vive feliz.

E se pergunta vez ou outra se você continua o mesmo idiota de sempre. E evita encontros casuais para não ter que olhar nesses seus olhos heterocromados. E sente muito por você  continuar assim, dentro dela.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s